Nome:
Série:

Atividade de Língua Portuguesa

1.O verbo indicado entre parênteses adotará corretamente uma forma de plural ao preencher a lacuna das seguintes frases:
O verbo indicado entre parênteses adotará corretamente uma forma de plural ao preencher a lacuna da seguinte frase:
A) Eles não ... (haver) conseguido adiar a viagem.
B) Apenas o mais moço dos irmãos ... (obter) o passaporte.
C) Olhe só a chuva que ... (anunciar-se) nas nuvens!
D) Doenças, imprevistos, acidentes, ...(aparecer) tudo
ao mesmo tempo!
E) Os jornais onde ...(sair) a notícia não merecem crédito.

2. Identifique a alternativa que completa corretamente a frase:

Ele confirmou que nos ouvirá com prazer, mesmo que ____________ problemas que __________ considerados _______________.

(A) surja - sejam - incontornáveis.
(B) surjam - sejam - incontornáveis.
(C) surja - seja - incontornável.
(D) surjam - sejam - incontornável.
(E) surja - sejam - incontornável.

3. Não chove ... meses; mas a esperança e o vigor que sempre .... no sertanejo não o ... .

a)faz, existiu, abandonou
b)faz, existiram, abandonaram
c)fazem, existiu, abandonou
d)fazem, existiram, abandonaram
e)fazem, existiu, abandonaram

4. Como _______ meses que a produção estava parada, não______ peças______ para atender a clientela.

a) Faziam – haviam – suficientes
b) Fazia – havia – suficiente
c) Faziam – havia – suficiente
d) Fazia – havia – suficientes
e) Fazia – haviam – suficientes

5. 

De acordo com o último quadrinho desse texto, o menino
achou ruim o chá. B) piorou do resfriado. C) sentiu um calafrio. D) tomou todo o chá.

6. Leia o texto abaixo.
 O tempo não apaga
Há alguns anos, quase todo dia de manhã, quando eu abria o portão para ir ao trabalho, via um garotinho sorridente que passava por mim, a caminho da escola, e eu correspondia o sorriso sem palavras. Certo dia muito frio, percebi que ele estava de tênis, mas sem meias, apenas com uma calça curta e uma blusinha de uniforme. Perguntei se poderia lhe dar algumas roupas dos meus filhos, e ele, todo feliz, disse que precisava apenas de meias, mas que seu irmão precisava do restante. Combinei que no dia seguinte, quando ele passasse, lhe entregaria o material. Juntei todas as meias que pude, de todos os tamanhos e cores e dito e feito: com um “muito obrigado, senhora”, ele se foi. De vez em quando, ainda o via, mas com o passar do tempo não o vi mais... Até que certo dia a campainha soou e fui atender. Era um rapaz alto, mas aquele sorriso era o mesmo, me agradecendo mais uma vez pelas “meias” e, com um cesto de verduras verdinhas, me fez chorar... Ele me contou que as meias duraram muitos anos e em momento algum esqueceu o meu gesto. Às vezes, uma atitude tão simples faz toda a diferença na vida de alguém.
Seleções. Jan. 2011. p. 60. (P070350C2_SUP)

No final desse texto, o rapaz demonstrou ser
A)agradecido. B) debochado.
C) divertido. D) orgulhoso.

7. Leia o texto abaixo.
Joãozinho e os pronomes
Na escola: – Joãozinho!
– Sim, professora!
 – Por favor, diga-me dois pronomes.
 – Quem, eu?
– Muito bem, garoto!
Disponível em: . Acesso em: 3 dez. 2015. (P091384H6_SUP) (P091384H6)
O humor desse texto está
 A) na forma como o Joãozinho atende a professora.
 B) na maneira como a professora faz o pedido ao Joãozinho.
 C) no fato de Joãozinho responder corretamente sem intenção.
D) no jeito como a professora faz um elogio ao Joãozinho.

8. Leia o texto abaixo.
 Quando eu chegar ao Céu!
 Quando eu chegar ao Céu, de manhã, de tarde ou de noite, não sei ainda, pedirei para ir à biblioteca, onde curiosamente bisbilhotarei – com respeito – algumas obras. Quero reler a Invenção de Orfeu, de nosso Jorge de Lima, sofredor, telúrico1 e místico, homem bom, cirenaico2 , assim lhe chamou Rachel de Queiróz, quando ele morreu, novembro, 15, do ano de 1953.
 E pedirei, sim, para conversar com Manu, Manuel Bandeira, que se chamava Neném. Matarei saudades do dentuço Manuel, que foi o melhor ser humano que conheci, neste mundo. E gostaria de conhecer Chiquita do Rio Negro, que recusou casar-se com Ataulfo Nápoles de Paiva, conviva do baile da Ilha Fiscal. Escrevi sobre Chiquita. Li a sua biografia, escrita por Garrigou-Lagrange.
 Meu Deus, convocaria Jaime Ovalle, o tio Nhonhô, que morreu com a idade de Jorge de Lima. Ali, na biblioteca do Céu, conheceria o estupendo Ovalle, o do Azulão [...], o amigo de Manuel, íntimo de Londres e de Nova York.
Por fim, suplicaria para falar com João Guimarães Rosa, poliglota, com quem tão poucas vezes falei. E evocaria a posse do seu sucessor, na Casa de Machado. Esqueci-me completamente dessa posse, ai de mim.
E fui. Lá estava eu, 1968. Um ano depois da morte de Rosa. Mário Palmério falou sobre ele, como seu herdeiro. E gostei tanto do discurso, equilibrado, lúcido, original. Se me lembro. Foi procurar cartas íntimas de Rosa para grande amigo, médico e fazendeiro em Minas, Moreira Barbosa. Cartas de outrora. Deliciosas, fraternais, confiantes, de pura entrega. Reveladoras do ser complexíssimo, fechado, carente, que gostava de disfarçar, despistar, ir e vir, comensal3 do mistério. Saudarei a uns e outros na largueza dadivosa do Céu, turbilhão de amor, como dizia o insaciável Léon Bloy.
 *Vocabulário: 1 Telúrico: relativo ao que pertence à Terra. 2 Cirenaico: relativo aos que entendem o prazer como fim principal da vida. 3 Comensal: alimentado de; nutrido de.
VILLAÇA, Antônio Carlos. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2011. Fragmento. (P090373C2_SUP)

De acordo com esse texto, o amigo de Manuel, íntimo de Londres e de Nova York, era
A) Jorge de Lima.
 B) Ataulfo Nápoles.
C) Jaime Ovalle.
 D) Moreira Barbosa

9.
No segundo quadrinho desse texto, no trecho “Mas para abrir um negócio é preciso planejamento, capital, visão empresarial e um monte de...”, as reticências foram usadas para
 A) apresentar a continuação da fala do pai.
 B) indicar que o pai ficou desconfia do.
C) marcar que o pai foi interrompido.
D) mostrar a dúvida do pai sobre a pergunta.


10. Leia o texto abaixo.
 Mila
 Era pouco maior do que minha mão: por isso eu precisei das duas para segurá-la, 13 anos atrás. E, como eu não tinha muito jeito, encostei-a ao peito para que ela não caísse, simples apoio nessa primeira vez. Gostei desse calor e acredito que ela também. Dias depois, quando abriu os olhinhos, olhou-me fundamente: escolheu-me para dono. Pior: me aceitou.
 Foram 13 anos de chamego e encanto. Dormimos muitas noites juntos, a patinha dela em cima do meu ombro. Tinha medo de vento. O que fazer contra o vento?
Amá-la – foi a resposta e também acredito que ela entendeu isso. Formamos, ela e eu, uma dupla dinâmica contra as ciladas que se armam. E também contra aqueles que não aceitam os que se amam. Quando meu pai morreu, ela se chegou, solidária, encostou sua cabeça em meus joelhos, não exigiu a minha festa, não queria disputar espaço, ser maior do que a minha tristeza.
Tendo-a ao meu lado, eu perdi o medo do mundo e do vento. E ela teve uma ninhada de nove filhotes, escolhi uma de suas filhinhas e nossa dupla ficou mais dupla porque passamos a ser três. E passeávamos pela Lagoa. [...] Era uma lady, uma rainha de Sabá numa liteira inundada de sol e transportada por súditos imaginários.
No sábado, olhando-me nos olhos, com seus olhinhos cor de mel, bonita como nunca, mais que amada de todas, deixou que eu a beijasse chorando. Talvez ela tenha compreendido. Bem maior do que minha mão, bem maior do que o meu peito, levei-a até o fim.
Eu me considerava um profissional decente. Até semana passada, houvesse o que houvesse, procurava cumprir o dever dentro de minhas limitações. Não foi possível chegar ao gabinete onde, quietinha, deitada a meus pés, esperava que eu acabasse a crônica para ficar com ela.
Até o último momento, olhou para mim, me escolhendo e me aceitando. Levei-a, em meus braços, apoiada em meu peito. Apertei-a com força, sabendo que ela seria maior do que a saudade.

CONY, Carlos Heitor. In: SANTOS, Joaquim Ferreira dos. (Org.) As cem melhores crônicas do século. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007. p. 271-272. Fragmento. (P090222F5_SUP)

No primeiro parágrafo desse texto, o narrador
 A) conhece o pensamento dos personagens.
 B) conta um fato observado por ele.
C) faz intromissões na história.
D) participa dos fatos narrados


Deixe um comentário

Obrigada por visitar meu espaço. Fico muito feliz com comentários, mas apenas sobre a postagem. Opiniões, elogios e críticas construtivas são bem-vindos.
Para outros assuntos, use o formulário de contato.